Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Herman José

Herman José

Mais uma bela critica do João Lopes

Joana, 01.05.07
Aqui está mais uma critica inteligente ... chego à conclusão que ainda há criticos com cérebro neste país! lol
E começo realmente a gostar deste João Lopes! :)
A tradição Tony Silva
1. Herman. Dos tempos herói-cos do Tony Silva até ao actual programa Hora H (SIC – noites de domingo), o mundo deu muitas voltas, o trabalho de Herman José também e não serei eu a pretender ter uma visão “única” sobre os seus altos e baixos (mal ou bem, escrevi muitas vezes, e em tons muito diversos, sobre esse trabalho). Em todo o caso, mesmo com desequilíbrios, Hora H confirma que Herman é um dos nossos criadores televisivos com uma visão mais ágil e mais inteligente sobre a televisão como fenómeno e, sobretudo, como linguagem.2. Linguagem. Figura modelar desse reino da “espontaneidade” que a televisão pretende ser, Herman tende a mostrar que... a espontaneidade não existe! Tudo é linguagem. Nos seus melhores momentos, os seus programas de humor fornecem-nos armas (perversas, sem dúvida) para lidarmos com as imposturas quotidianas da televisão. Depois de um arranque incerto e hesitante, Hora H está a encontrar o tom justo para o seu próprio projecto (obviamente reminiscente do saudoso Tal Canal): primeiro, foram secundarizadas as “derivações” menos interessantes (a personagem do “ucraniano” não encaixa neste universo e “bonecos” como o realizador brasileiro Edmilson Fitipaldi Filho carecem de potencialidades para aguentar muitas variações), sendo dada maior importância narrativa às situações que têm a ver com os programas do próprio canal de televisão (“Cnn”); depois, encontrou-se uma montagem cada vez mais ágil e contrastada; finalmente, têm surgido algumas magníficas personagens (por exemplo, o prof. Eduardo “Sabe” ou o entrevistado que acordou de um coma de 28 anos).3. Músicas. O episódio de ontem (29 de Abril) — com o homem do coma, o vulcão de Cracatoa, a bombista distraída, etc. — foi, claramente, o mais conseguido até agora, tirando o melhor partido dos talentos do elenco. Pela primeira vez, tivemos a sensação de um programa coeso, não de uma mera colagem de sketches (mais ou menos conseguidos). Os números musicais, na melhor tradição do Tony Silva, ilustram de forma exemplar o sentido criativo, a subtileza crítica e alegria do Hora H — de programas anteriores, aqui ficam alguns extractos encontrados no YouTube, incluindo o já clássico “Trio Admira-te”.

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.